Janaína agora sorri.

Janaína tinha os pés de galinha mais profundos que eu já vira na vida. Sulcos finamente esculpidos como se outrora rios de água salgada lhe tivessem brotado da lagoa de seus olhos e percorrido caminhos tortuosos até as suas bochechas pálidas.

Mas ela sorria, sempre e tanto. O tempo todo. E não era sorriso inocente, complacente ou gentil. Era sorriso de quem precisa escancarar.

Não era claro, para mim, no entanto, se seus lábios se curvavam por ironia ou alegria. Talvez ambos, já que a ironia a divertia enormemente. Impossível não achar graça nos tantos absurdos que a vida traz, embalados em papéis de presente nas madrugadas de insônia.

É que de repente tudo faz um clique:

Rir é uma forma de leveza. E é também uma forma de protesto.

Sorrir é uma tentativa de não se afogar em tanto mar.

_______

Imagem: unsplash.com

 

 

 

 

Anúncios

One Comment Add yours

  1. franksands diz:

    Que lindo! Adoro essas suas poesias em prosa :**

Deixe um comentário! =)

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s